PESQUISA AVANÇADA
  |NOTÍCIAS |RECURSOS HUMANOS |INVESTIDORES |PARCEIROS |LINKS |CONTACTE-NOS |MAPA DO SITE  
   
 


Balanço 2009 Toyota e Lexus na Europa e Portugal
     

 

Resultados das vendas e da produção em 2009 da Toyota Motor Europe destacam prestação dos híbridos.

Toyota Caetano Portugal garante manutenção de quota.

A Toyota Motor Europe (TME) anunciou os resultados do final de ano, fixando as vendas acumuladas em 2009 em 882.351 automóveis. De Janeiro a Dezembro, a TME registou 855.294 vendas de automóveis da marca Toyota (-20% do que em 2008) e 27.057 automóveis da marca Lexus (-40% do que em 2008), alcançando uma quota de mercado de 4.9%. As vendas foram afectadas pela diminuição dos mercados em vários países Europeus, assim como pela introdução de várias alterações que ocorreram nas gamas Toyota e Lexus. Em 2009, a TME produziu 517.579 automóveis (-26%), 527.942 motores (-34%) e 553.839 transmissões (-5%). Neste período, a produção acumulada de automóveis na Europa ultrapassou a cifra dos seis milhões. A oferta de tecnologias amigas do ambiente - o Hybrid Synergy Drive (HSD), o Toyota Optimal Drive e o Lexus Hybrid Drive – contribuiu para a redução das emissões médias de CO2 para valores inferiores a 140 g/km. O anúncio do início da produção do Auris HSD no Reino Unido agendado para Junho de 2010 reflecte o compromisso da TME em expandir a oferta de automóveis híbridos de baixas emissões para todos os clientes na Europa.

Num ano em que o mercado automóvel Português também quebrou, a Toyota manteve a quota de 2008, 6,1%, e a Lexus subiu 0,1 pontos percentuais. Já a produção em Ovar apresentou uma redução de 67%, face a 2008, demonstrando a retracção na procura quer do mercado nacional quer do mercado externo.


Os cinco modelos estratégicos e de produção europeia, o AYGO, o Yaris, o Auris, o Verso e o Avensis atingiram as 565.008 vendas em 2009. As vendas da Toyota na Europa foram lideradas pelo modelo Yaris, com 215.921 unidades a serem comercializadas, quebrando 10% face ao ano anterior. Os recem-lançados modelos Avensis e Verso aumentaram a quota nos respectivos segmentos, em especial no mercado de clientes particulares. As vendas do Prius subiram 3% e alcançaram 42.712 unidades, tendo sido motivado pela resposta positiva dos clientes ao lançamento no Verão da terceira geração. Esta prestação permitiu à TME ultrapassar a marca das 200.000 unidades híbridas comercializadas no Velho Continente.

As vendas da Lexus na Europa foram lideradas pelo novo RX, que acumulou um total de 13.647 unidades comercializadas (-22% do que 2008, resultante da introdução da nova geração no final do 1º semestre de 2009). Esta performance foi conseguida com as vendas de 10.702 unidades da versão híbrida, RX 450h, que superou os objectivos de vendas, desde que foi lançado em Maio de 2009, apresentando os mais baixos valores de emissões de CO2 do segmento, de apenas 148 g/km. Em 2009, as vendas de automóveis híbridos representaram 45% (12.134 unidades) do total das vendas Lexus, salientando uma procura crescente por tecnologias eco-eficientes por parte de clientes Premium.

Os resultados das vendas e da produção foram afectados pela oscilação dos mercados europeus, tendo sofrido um impacto negativo pelo abrandar da economia e, por sua vez, tendo respondido positivamente às políticas de incentivo ao abate implementadas em vários mercados. Em mercados importantes como o Reino Unido, a Espanha, a Holanda e a Suécia, a Toyota alcançou quotas de mercado recordes. Por outro lado, as vendas da Toyota e da Lexus foram afectadas negativamente pela recessão em mercados como a Rússia ou a Irlanda, onde as marcas detêm uma forte quota de mercado.

“Estamos confiantes para 2010, esperando que o mercado europeu seja mais previsível, mas com uma indústria ligeiramente inferior a 2009”, afirmou o Presidente e CEO da TME, Tadashi Arashima. “Contudo, prevemos uma evolução favorável da nossa quota de mercado. Já no quarto trimestre de 2009 detectámos sinais claros de uma tendência positiva, altura em que beneficiámos da nossa gama de modelos actualizada, em especial no mercado de clientes particulares. Em acréscimo, novas inovações na oferta de modelos do importante segmento C e C Premium vão sustentar as vendas dos próximos anos, com o lançamento do primeiro híbrido produzido na Europa, o Auris HSD, e do novo modelo híbrido da marca Lexus, ambos pioneiros nesses segmentos.”

“Num ambiente de mercado adverso, iremos continuar a promover os benefícios do baixo custo de utilização da nossa tecnologia dos Puro Híbridos.” - afirma Arashima - “Com mais de dois milhões de automóveis híbridos em circulação e de clientes completamente satisfeitos, acreditamos que estamos bem posicionados para oferecer aos nossos clientes a solução avançada de mobilidade que eles procuram.”

Caminhando na direcção do desenvolvimento da tecnologia dos Puro Híbridos e da electrificação do automóvel, a Toyota vai introduzir perto de 200 híbridos eléctricos Plug-in (PHEV) na Europa para teste de estrada em parceria com governos e entidades privadas, em meados de 2010. Os PHEV vêm oferecer uma autonomia superior de consumo de combustível quando comparado com os automóveis híbridos convencionais, reduzindo o consumo de combustível fóssil, de emissões de CO2 e de emissão de poluição atmosférica. Portugal vai participar neste teste de estrada, acolhendo 5 unidades PHEV, para testar numa parceria entre a Toyota Caetano Portugal e a Galp Energia.

Toyota Caetano Portugal mantém quota de mercado num ano em queda

A produção na Fábrica de Ovar dos modelos comerciais Hiace e Dyna e do mini-autocarro Optimo foi afectada pelo abrandar da economia, com especial impacto nas encomendas dos modelos de exportação (Dyna e Optimo), com a produção total a fixar-se nas 1967 unidades (-67% face a 2008). A produção da Dyna desceu das 5248 unidades, produzidas no ano transacto, para as 1578 unidades. O volume de produção da Hiace fixou-se nas 305 unidades (-47% do que em 2008) e o Optimo caiu 36% para 84 unidades produzidas em 2009. Para contornar a quebra das encomendas, a Toyota Caetano Portugal teve necessidade de recorrer à criação de um banco de horas com os colaboradores, assim como a aderir ao Plano de Apoio ao Sector Automóvel, promovido pelo Governo, de forma a garantir a manutenção dos postos de trabalho, promover a estabilidade do clima laboral e melhor preparar a empresa para o período de retoma.

Num ano em que o mercado nacional registou uma quebra de 26% face a 2008, a Toyota conseguiu manter a sua quota global de 6,1%, com 12.329 unidades comercializadas, aumentando a quota nas viaturas de passageiros. A Lexus também apresentou um desempenho melhor do que o mercado, fechando o ano com 266 unidades, menos 15% face a 2008; aumentando a sua quota de ligeiros de passageiros em 0,1 pontos percentuais.


 
Enviar a um amigo Imprimir
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 

|POLITICA DE PRIVACIDADE| .
A Empresa Empresas Participadas Sectores Industriais